Intercâmbio depois dos 30 anos

COMPARTILHE:
Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Sim, eu sei… você já passou dos 30 anos e já se perguntou inúmeras vezes se ainda vale a pena fazer um intercâmbio, se isso não é coisa para adolescentes ou até mesmo se você vai conseguir aprender com facilidade e aproveitar uma sala de aula. E sem nenhuma enrolação vou te responder que SIM, fazer intercâmbio depois dos 30 anos vale MUITO a pena e, pra falar a verdade, foi a melhor coisa que eu fiz!!!!!

Acho que uma palavra define bem todo o resto do relato que você vai ler adiante mas isso fez toda diferença no meu intercâmbio … MATURIDADE.

Intercâmbio depois dos 30 anos: Vale a pena ?

Quando eu terminei o segundo grau ( não sei nem o nome que se dá no ensino de hoje em dia hahahaha – mas leia-se antes de entrar na faculdade) eu tive uma única oportunidade de fazer intercâmbio de inglês fora do Brasil, papys fez essa proposta antes de eu começar minhas aulas na facul e eu simplesmente recusei… sim, recusei !!!!!! Por medo de viajar sozinha ( na época a internet não bombava com incentivos do quão incrível é viajar sozinha), morar num país com língua desconhecida e pessoas desconhecidas … e esse foi o único arrependimento da minha vida que eu arrestei por longos e longos anos.

Intercâmbio de inglês nunca foi exatamente um sonho na minha vida mas foi se tornando uma enorme necessidade na fase adulta, pós faculdade, principalmente quando eu decidi trabalhar com turismo… Como uma pessoa que trabalha com turismo pode ter um inglês básico ??? Fora a necessidade profissional, eu me sentia uma idiota durante minhas viagens quando não conseguia levar uma conversa adiante ou não conseguia me expressar da maneira que queria. Meu inglês embromation nunca foi empecilho para deixar de viajar ou me virar no exterior mas sentia uma enorme dificuldade em fazer amigos e na minha última viagem sozinha para Paris, em 2017, decidi que no verão seguinte eu voltaria para Europa para aprender inglês.

Daí começou toda minha dúvida… mas e aí, será que realmente vale a pena fazer intercâmbio depois dos 30 anos? Como vou me adaptar a sala de aula? Será que vou conseguir aprender o suficiente? E minha turma, será que vou estudar com adolescentes e ser a tia da galera? E a escola, será que tem gente da minha idade? Pouco tempo de intercâmbio vale, afinal terei que usar minhas férias no trabalho para isso?

Para ser muito sincera levei essas dúvidas comigo até o primeiro dia na sala da aula! Por mais que a escola já tivesse me respondido todas elas em trocas de emails, eu também já tinha conversado com amigas que tinham tido essa experiência e lido diversos blogs sobre o assunto… esses ” medos” continuavam martelando na minha cabeça. Porém, precisei de apenas algumas horas de aula no primeiro dia para sanar todas elas e ter certeza absoluta que eu teria uma das experiências mais legais na vida nas semanas seguintes.

Aqui nesse post eu conto porque escolhi Malta para fazer intercâmbio e também como escolhi a Am Language, a escola que estudei… mas posso dizer que demorei bastante para escolher uma escola simplesmente porque não queria que fosse lotada de brasileiros ( algo super comum em Malta) e isso foi um dos primeiros indícios que a tal maturidade me deu, rs.

No Facebook tem diversos grupos que super ajudam quem deseja estudar ou até mesmo morar em Malta, grupos como “Brasileiros em Malta”, ” Intercâmbio em Malta” são excelentes para tirar dúvidas sobre o dia a dia dos malteses, uma noção de custo de vida, melhores escolas, melhor época pra ir… porém, o que MAIS se vê por lá são brasileiros combinando de se encontrar, de estudar na mesma escola, ou seja, criando um vínculo que, sem nenhuma dúvida, irá atrapalhar no objetivo principal… aprender inglês! E eu confesso que super me via criando esse vínculo se tivesse meus vinte e poucos anos, exatamente pelo “medo” de chegar e estar sozinha em um lugar desconhecido. Para mim, o medo de chegar sozinha não foi embora depois dos 30 não, e eu amo brasileiros e amo conhecer brasileiros durante minhas viagens de turismo mas a única diferença é que meu objetivo falou mais alto e aprender inglês era meu único foco.

 

Ok, Érica mas qual diferença de uma turma de intercâmbio 30+ ?

Na real, faz TODA diferença pelo simples fato que suas aulas são baseadas no cotidiano de pessoas dessa faixa etária... falamos sobre profissões, política, assuntos da atualidade, e toda aula é direcionada para assuntos que realmente sejam interessantes e abranjam adultos com mais de 30 anos.

Em relação a isso, não tive como me sentir mais a vontade, foi realmente super importante para meu desempenho estudar com pessoas mais velhas e conversar sobre interesses em comum… muito mais fácil de assimilar, logo muito mais fácil para aprender.

Apesar do curso se chamar 30+, e na teoria só ter pessoas acima dos 30 anos, na prática não foi bem assim… não sei se porque estudei na alta temporada ( agosto/setembro) e as turmas estavam mais cheias ou se isso realmente é normal. Minhas turmas ( fiz curso intensivo – manhã: geral | tarde: conversação) apesar da maioria realmente ser acima dos 30, tinham pessoas na faixa dos vinte e pouco e uma única menina com 17 anos. Não tive nenhum problema quanto a isso, pelo contrário, sempre amo conhecer pessoas mais jovens – mas acho importante ressaltar caso alguém não curta e queira se assegura disso antes de fechar uma escola.

Aliás, se você tiver interesse em estudar na AM LANGUAGE – avise que conheceu a escola aqui no Nós na Trip e peça seu desconto de 10% nos cursos.

E para quem já passou dos 30 e também tem essa mesma dúvida, minha turma tinha gente de 40, 50 e até 60 anos e na semana que terminei meu curso vi que entrou um vovozinho de uns 80 anos… ou seja, NÃO EXISTE IDADE MÁXIMA PARA APRENDER, não existe idade para fazer intercâmbio e isso ficou bem claro para mim durante meus dois meses em Malta.

E fora da sala de aula como é a experiência do intercâmbio 30+ ?

Para ser sincera, o pós aula, atividades extra classe e o dia a dia morando em um país com língua inglesa são tão importantes quanto o que você aprende dentro da sala de aula ( ou até mais) por isso, acredito que quanto mais você interaja com pessoas fora da sala de aula, seu inglês terá melhor progresso.

Para isso, é comum que as escolas tenham um calendário semanal de atividades extra classe. Em Malta, por exemplo, o apelo turístico é enorme, principalmente no verão, quando eu fui, e a quantidade de atividades diárias na Am Language era muito grande. Exatamente para atender o interesse de diferentes perfis e idades.

Confesso que em relação a isso meu perfil é total voltado para os interesses da galera de vinte e poucos anos hahahaha, bares, baladas, churrasco na escola, praias… e com isso acabei fazendo amizade com essa galera e curtindo o intercâmbio dessa forma “tradicional”. Inclusive, a menina de 17 anos da turma foi minha super parceira de baladas hahahaha.

Para que já não curte mais todo esse agito também tem diversas atividades SUPER bacanas e que, sem dúvida, devem enriquecer muito o aprendizado como jantares de conversação com assuntos voltado para business – imagina, que máximo fazer um possível networking em inglês; turismo cultural na cidade, aulas de ioga... e várias outras coisas legais. Essas atividades são abertas para alunos de todas as idades, não apenas o 30+ mas era nítido o interesse maior dessa faixa etária.

Fora isso, outra coisa que também achei essencial para meu aprendizado mais rápido, mas que imaginei que fosse ter uma dificuldade gigante,  foi dividir apartamento com outros estudantes. Talvez, para quem tenha mais de 30 anos, more sozinho, ou casado e com filhos seja uma enorme dificuldade se ver morando em um apartamento com outras pessoas… eu também achei hahahahaha mas no final, foi a melhor opção que escolhi.

Caminho para minha casa | Turistando com a galera da escola

A maioria das escolas oferecem ao estudante a opção de fechar acomodação com eles, pois é mais uma ótima forma do aluno continuar praticando fora da sala de aula. Em Malta, por exemplo, o que mais encontrei foram escolas com opção de hostel ou residencia estudantil ( você divide cozinha e áreas comuns mas tem mais privacidade em quarto e banheiro do que eu um hostel). Confesso que nem um e muito menos o outro atendia a minha necessidade.  Sou super de boa em hostel quando viajo a turismo mas morar por dois meses em um lugar sem nenhuma ou pouca privacidade estava totalmente fora dos meus planos hahahaha.

Esse foi o segundo ponto por eu ter escolhido a Am Language, as acomodações eram somente apartamentos completos ( compartilhados entre 3 até 8 pessoas) em prédios da própria escola, hotéis ou casas de família.

Eu optei por um apartamento com três quartos e um quarto individual para mim e tive uma supeeeer sorte com meus flatmates. Dividia o apê com uma japonesa ( que também alugou um quarto só para ela) e com um casal ( que dividia uma suíte) uma coreana e um brasileiro ( que não falava uma palavra de português comigo – ele era o foco em pessoa hahahaha). Quatro pessoas em um apê, super espaçoso, menos de 10 minutos a pé da escola, na esquina da praia de Sliema ( bairro mais caro de Malta),  só dividia o banheiro com a japa e todos estavam fazendo intercâmbio mais longo, então foram meus colegas durante meus dois meses na ilha. PERFEITO!!

Na escola também conheci uma galera mais velha que preferiu se hospedar nos hotéis que tinham convênio com a escola massss confesso que acho que depois que você chega no hotel você perde totalmente a “troca” de cultura, experiências e a prática do inglês que você poderia ter, compartilhando um apê. Também conheci algumas que ficaram em casa de família, e super curtiram, exatamente para não perder essa “troca” e ainda, de quebra, conheceram mais sobre os costumes locais. Aí, vai pelo perfil de cada um mesmo, eu não me imagino morando na casa de uma família que não conheço, talvez por isso eu não tenha aceitado fazer intercâmbio quando era mais nova, rs… de fato, é uma experiência que não tenho nenhuma vontade de passar mas é uma super opção ( e mais econômica que hotel ou aluguel de apê).

Para o perfil que eu tenho, fazer um intercâmbio depois dos 30 anos, com mais maturidade, mais experiência de vida e mais controle financeiro fez TODA diferença, pois pude aproveitar ao máximo a ilha durante o verão ( e aproveitei mesmooooooo… lá nos stories do @nosnatrip nos destaques “INTERCÂMBIO” eu mostro meu dia a dia super agitado, as baladas, praias, tudo!) porém com mais responsabilidade ( que eu tenho certeza que jamais teria se fosse mais nova, super me conheço hahahaha) e com total foco em aprender inglês – evitei ao máximo conhecer brasileiros, fiz amizade fora da escola com pessoas que tinham inglês fluente e me esforcei ao máximo para aproveitar as salas de aula ( mesmo de ressaca hahaha).

Só posso dizer que voltei do meu intercâmbio com uma SUPER experiência na bagagem, tive oportunidade não só de aprender uma nova língua como principalmente de conhecer novas culturas, fazer novas amizades, aprender a conviver com pessoas com hábitos diferentes dos meus, conhecer um país novo ( e me apaixonar por ele) e só posso dizer, mais uma vez, que NÃO EXISTE IDADE LIMITE PARA FAZER INTERCÂMBIO, não importa se você tem 15, 20, 30, 50 ou 70 anos… cada experiência será única e um aprendizado diferente mas, sem dúvida, em todas você terá um grande aprendizado!

Ah, só para finalizar porque sei que terá essa pergunta… vale a pena fazer intercâmbio sem saber falar nada de inglês?? Sim!!! Não foi o meu caso, eu entrei em uma turna de nível intermediário mas super vale!!! Vou deixar esse assunto para um próximo post!

 

 

 

 

COMPARTILHE:
Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
Seguir Erica Camargo:

Apaixonada por explorar novos lugares e compartilhar suas experiências... as boas e os perrengues também, rs!! Adora conhecer bons restaurantes, descobrir lojinhas locais, é super ligada em tendências e hotspots e não dispensa uma boa balada!!

4 Responses

  1. Val

    Oi, Erica!
    Estou planejando ir a Malta em setembro e meu foco era somente turismo, mas estou cogitando incluir um intercâmbio de 2 semanas só pela experiência de ‘morar’ na Europa e poder estudar um pouco. Me identifiquei bastante com suas ‘exigências’: não interagir só com brasileiros e ter privacidade na hospedagem etc.
    Você pode me ajudar com algumas dúvidas? Na AM language eu posso necessariamente escolher estudar na parte da manhã ou eles vão me colocar em horário disponível?
    Acha que dá pra fazer direto com eles ou melhor contratar uma agência intermediária aqui no Brasil?
    Obrigada e parabéns pelo blog!

    • Erica Camargo

      Oi Val!! Malta é incrível tanto para passear quanto para morar, adorei aquele país!! Então, eu fechei diretamente com a escola e achei eles muito solicitos, desde o primeiro email expliquei que meu inglês não era bom, usei o google tradutor diversas vezes hahaha e deu tudo super certo, eles são muito pacientes. Eu pedi para estudar de manhã porque, no meu nível, tinham turmas disponíveis tanto a tarde qto de manhã, então foi tranquilo pedir para ficar numa tarde de manhã. Como no verão lá só escurece bem tarde você vai conseguir aproveitar a tarde inteira para turistar.

      Boa viagem!! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *